sexta-feira, 7 de maio de 2010

Síndrome do Amor

Associação Síndrome do Amor

Realizamos hoje a I FESTAMOROSA onde foi apresentado à sociendade ribeirao pretana o trabalho realizado em 2 anos de fundação da Associação Síndrome do Amor

Confira o discurso da presidente Marília Castelo Branco

Estamos aqui hoje para nos apresentar, festejar e agradecer.

Agradecemos, através da Prefeita Darcy Vera a todas as autoridades que nos honram com a sua presença.

Agradeço à comissão organizadora deste evento composta por: Renata Calil, Luciane Pinheiro, Marcio Campos e Roberto Padilha pela dedicação e seriedade que resultaram nesse momento tão agradável e inesquecível.

Agradecemos às empresas que patrocinaram esta I Festamorosa.

Agradecemos aos amigos da imprensa. O apoio de vocês é fundamental para a construção da nossa imagem. Sabemos que a comunicação de qualidade é fundamental para o sucesso de qualquer empreendimento.

Agradecemos às famílias que confiam no nosso trabalho e nos permitem permanecer ao seu lado num momento tão incomum e doloroso.

Fazemos parte de um grupo que olha para um medo que todos nós já tivemos pelo menos por alguns minutos. Medo que passou na constatação de um filho que nasceu saudável, que cresce e dá continuidade à nossa história.

Trabalhamos com guerreiros, bebês que lutam pela vida, famílias que batalham por qualidade de vida e dignidade, ainda que saibam que seus filhos nada oferecerão do que tanto esperam. Aos olhos do mundo não serão os melhores, nem os mais bonitos. Com isso, todos os dias nos deparamos com uma realidade : “Guerreiros são pessoas, tão fortes, tão frágeis”como disse Gonzaguinha.

O que fazemos é simples. Não curamos, não prolongamos a vida, não fazemos falsas promessas. Ao contrário, mostramos que há dias ensolarados mas também tempestades, terremotos que destroem para que o novo possa surgir.

A adversidade não é agradável, mas é natural.

Fica mais difícil lidar com algo que não conhecemos nos sentindo sozinhos e discriminados. Nesse momento, coisas pequenas são muito significativas. Um gesto nosso, meu, seu, de qualquer pessoa, modifica o olhar a uma situação que parece desastrosa. SIMPLESMENTE ESTENDEMOS AS MÃOS.

Nossa entidade não é de caridade, mas de fortalecimento. Quem tem um filho especial, com limitações ainda que graves e permanentes, não é uma vítima. É alguém que precisa aprender, se informar, ser capacitado e principalmente aceitar. É sim muito doloroso lidar com a perda de um filho, mas insuportável saber que não se fez tudo para que ele fosse feliz, ainda que por um curto espaço de tempo. É essa certeza que nos faz viver...

Hoje é dia 6 de maio e nesse dia nasceram duas pessoas muito importantes para que a Associação Síndrome do Amor começasse. Primeiro, o homem que tenho a honra de ser filha, Oswaldo Castelo Branco. Meu pai me ensinou sobre um amor sereno, seguro, quieto e constante. Foi meu grande apoiador na vida e nesse projeto. Pela sua trajetória honrosa merece todas as homenagens e minha gratidão eterna.

Muitos anos depois, nesse mesmo dia 6 de maio, nasceu o menino que tenho a honra de ter carregado no ventre, o Thales Castelo Branco e Cassiano, o bebê que começou tudo isso que vimos hoje. A criança que me fez enxergar que grandes presentes podem chegar em embalagens estranhas ao primeiro olhar, e que cuja história une, congrega, e dissemina amor, solidariedade e companheirismo por todos os lados. Tanto meu Pai, quanto meu filho são estrelas que brilham no céu e nos aplaudem nesse momento, ainda que não possamos ver.

Gostaria também de agradecer a mais uma pessoa em nome de todas as mães. Alguém que lá atrás deu início a esse grande movimento chamado Síndrome do Amor quando ele ainda nem tinha um nome...Não é do nada que algo começa assim tão forte. Muitos dos milagres são fruto de um trabalho constante que persiste, mesmo diante das adversidades. Conheci esse amor que cuida e protege sem fragilizar, ainda muito criança, dentro da minha própria casa, por anos. Agradeço à minha mãe aqui presente, uma mulher pequena apenas na estatura, que acolhia parentes, pessoas amigas, simples, conterrâneas que vinham para tratamento médico em São Paulo. Naquela época, não havia as facilidades de hoje, mas ainda assim minha mãe movimentava um exército de médicos, pacientes, receitas, medicamentos, cirurgias. Tudo isso simplesmente por amor e saudade da sua terra natal. Obrigada, mãe, pelo exemplo tão valioso.

Hoje é, além de tudo, o dia em que a Associação Síndrome do Amor é oficialmente apresentada à cidade que nos acolheu. Agora ela não é mais um sonho, mas geradora de novos e reais projetos. Nosso objetivo é começar já, com a sua ajuda, a concretizar o desejo inicial do nosso querido presidente de honra Dr. Carneiro e construir um Centro de Capacitação de Cuidadores.

Acoplado a ele um sistema de hospedagem profissional com base nas técnicas de hotelaria mais modernas para que nossas famílias estejam próximas de nós, o que viabilizará de uma vez por todas o nosso grande objetivo que é acolher, formar e informar.

Esse tempo de convivência com a Criança especial nos mostrou o poder transformador que ela traz em si. Como mãe e hoje assistindo o que uma nova leitura desse desafio pode realizar, me sinto no dever de alertar esses Pais à oportunidade que têm nas mãos. Temos assistido famílias que chegam destruídas pela culpa, pelo medo, reconstruindo a vida com novos valores e enxergando o verdadeiro significado dessa experiência.

Ajude a Associação Síndrome do Amor a cuidar de quem cuida...

Agora a surpresa que anunciamos no material de divulgação da I Festamorosa. A notícia que guardamos para revelar hoje com todos aqui juntos.

Depois de uma história linda, de muita emoção, fomos presenteados com o direito de uso de imagem da cantora Maria Rita para todas as ações de divulgação da nossa entidade. Mas por que Maria Rita?

As visitas ao meu filho na UTI eram de uma hora, duas vezes ao dia. Essa foi a sua casa durante metade da vida dele. Para criar um ambiente mais alegre, eu levava um pequeno aparelho de som que ligava durante a minha permanência lá.

Maria Rita surgia nesse momento e o CD dela era um dos que compunham o repertório. O som ficava lá e as enfermeiras ligavam na minha ausência relatando que o Thales se acalmava com a música. Em casa, percebemos que ele criou um vínculo com a voz da cantora, já que sorria e acabava adormecendo ao som de “Lavadeira do Rio”. Quando o medo apertava e eu sentia que não ia suportar, pegava meu bebê e dançava, dançava até a alegria voltar.

Maria Rita ficou sabendo disso muito antes da associação ser sequer um sonho. Ano passado, esteve na Feira do Livro e a convidamos para nossa madrinha. O pedido foi oficializado em março deste ano.

Essa é uma conquista muito importante para a Associação Síndrome do Amor , um presente que nos dará a visibilidade necessária para chegarmos cada vez mais e mais em famílias que precisam da nossa mão estendida. Nosso muito obrigada à Maria Rita por esse gesto lindo e humano. Agora nossas crianças especiais têm uma voz!

Bom, vamos aos pedidos...Ou pensaram que eu não ia pedir nada??

Peço agora que os voluntários da Associação Síndrome do Amor fiquem de pé.

Este é o nosso grupo de Ribeirão Preto que chamamos carinhosamente de amorosos. É impressionante a dedicação dessas pessoas. Todo o mérito desse trabalho é na verdade delas. Eu sou mãe, passei pela situação e isso me motiva, mas nossos amorosos, abriram seu coração para uma ideia: acolher. Simplesmente isso e o fazem com a garra de quem ama apaixonadamente.

Minha eterna gratidão e orgulho pela equipe da qual faço parte.

Agora o pedido é para todos vocês. Respirem fundo, lentamente. Busquem na memória um momento em que seu coração bateu forte de alegria como o nosso bate agora. Um filho que chegou, uma conquista muito esperada, a visão do ser amado, qualquer momento muito feliz. Fique com esse pensamento...

Defendemos que essa alegria não é incompatível com a dor...

...Que podemos ser felizes ainda que em tempos difíceis, se acreditarmos que tudo passa, nos fortalece e nos aperfeiçoa e é sabiamente definido por uma vontade maior que a nossa. Só podemos fazer a nossa parte.

Ainda com essa alegria no coração peço que se sintam abraçados longa e carinhosamente por toda a equipe da Síndrome do Amor e convido para que façam parte dela.

Agora terminando mesmo, faço a minha última homenagem às empresas aqui presentes, através de um amigo, um empresário bem sucedido que acreditou e teve a coragem de entregar um projeto de grande complexidade e responsabilidade nas mãos de uma mãe que tinha acabado de perder seu filho, confirmando que, ainda que haja dor, a vida tem que continuar...e a gente consegue...Salvador Brambilla, foi isso que você me disse com o seu gesto , é por isso que estamos aqui hoje eu não poderia perder essa oportunidade de agradece-lo.

É hora do show! Começamos com Guca Domenico, seguido pelo Cássio do Trem Caipira e depois Sandro Dhiacanga. Divirtam-se novos amorosos.

Obrigada pela presença de Todos! Que Deus continue nos iluminando e guiando.

2 comentários:

  1. Agradecemos pela divulgação do nosso trabalho aqui. Pode não parecer, mas com esse ato vocês estáo semdo voluntários de grande importância para nossa entidade. Obrigada! Bjs Marília

    ResponderExcluir
  2. SANDRO DHIACANGA8 de junho de 2010 11:43

    MARAVILHOSO O EVENTO E A BENEMERÊNCIA DE TANTAS PESSOAS, PARABÉNS !! FIQUEI MUITO FELIZ EM PODER CONTRIBUIR COM A MINHA MUSICALIDADE PARA ESTA JUSTA CAUSA. UM ABRAÇO. SANDRO DHIACANGA www.sandrodhiacanga.com.br

    ResponderExcluir